Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A CASINHA

Segunda-feira, 24.09.07

 

 

 

 

A casa da Senhora Ermelinda, na qual foram instalados o meu pai e a minha mãe, naquelas férias, espantou-me completamente. Era pequena, não tinha luz eléctrica e não tinha água (o que os obrigava a pedir aos vizinhos a quantidade de água que necessitavam)

 

Espantou-me e levou-me a pensar como era possível que em pleno século XX, a caminho do século XXI, encontrar uma casinha em estado quase primitivo. Foi-me explicado pelo meu pai que a Senhora D. Ermelinda não fazia uso da casa há muito tempo. Vivia junto com uma filha.

 

Espantou-me porque não queria entender o porquê daquele desejo do meu pai em passar férias na terra que não era dele, dele eram as poucas lembranças que guardava no mais recôndito da sua memória, numa casinha que mais parecia retirada dos livros de contos de fadas que eu em menina devorava.

 

Entrar naquela casinha foi como se tivesse recuado no tempo, no tempo que não era o meu, no espaço que identifiquei como sendo a pequena casa em que meu pai viveu.

 

O chão da cozinha era castanho, castanho-escuro da cor de terra, terra pisada por pés calejados, castigados por árduos dias de trabalho, pés nus de crianças clamando o pão.

 

Na cozinha não tinha qualquer tipo de electrodoméstico, muito menos um fogão, para grande espanto de minha mãe. Num dos quantos tinha uma pequena e rudimentar lareira maltratada pelo tempo.

 

Os quartos eram dois e estavam equipados com duas modestas camas de ferro, já um pouco enferrujadas. Sobre as camas caíam colchas de lã de cores garridas e vivas contrastando com o ar sombrio e abandonado da casa.

 

E o meu pai tudo olhava maravilhado...

Encantado por encontrar a casinha no estado original…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por teresworld às 13:42


4 comentários

De V.A.D. a 25.09.2007 às 01:36

Retornar à singeleza e simplicidade de uma casinha assim, inalterada através dos tempos, talvez permita a reconstrução de um passado difícil sobre os alicerces das lembranças agradáveis…
Achei maravilhoso, o texto…!

Um beijo...

De TiBéu ( Isa) a 25.09.2007 às 23:34

Achei lindo e coloquei-me no lugar do teu pai, como seria ?? não consigo imaginar. Mas que deve ser bom, isso deve. Estiveste lá alguns dias? hehe engraçado bj meu

De teresworld a 26.09.2007 às 09:53

Não, não estive lá, apenas fui levar os meus pais e tive a oportunidade de conhecer o local e o meu espanto reflectesse neste pequeno texto.
Mas, certamente que seria divertido ...

Um beijo...

Teres

De Emanuela a 27.09.2007 às 00:22

Pois eu entendo perfeitamente o teu pai.
Havia uma casinha, dos meus avós, que era algo assim. A minha maior tristeza foi voltar lá e já não encontrá-la mais. O meu maior sonho? Reconstruir a casinha tal como era, sem luz elétrica, sem água encanada...E com aquele cheirinho de aconchego que só lá havia.E por isto tudo, adorei teu texto, que me fez voltar ao meu passado. Um beijinho!

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30





comentários recentes